Aquário de São Paulo: mais do que um simples aquário

Você precisa visitar o Aquário de São Paulo, um passeio indescritível cheio de emoções e fantasias.

0
aquario familia

Finalmente fomos conhecer o Aquário de São Paulo e, posso afirmar: já deveríamos ter ido antes.

São várias atrações, que vão além de um simples aquário, tornando o ambiente um lugar importante de preservação da fauna.

Vamos conhecer um pouco mais sobre ele?

História do Aquário de São Paulo

O Aquário de São Paulo (ASP) foi inaugurado em 2006, no bairro do Ipiranga, sendo o primeiro Aquário Temático da América Latina. Nesse momento, o ASP apresentava apenas um setor, com área total de 3 mil m², onde foram construídos 25 tanques/aquários que exibiam espécies de peixes, répteis e mamíferos que habitam diversos ecossistemas, como a Floresta Amazônica, o Pantanal e a Bacia do Rio Tietê.

Em 2008 e 2009 houve grandes ampliações para a criação do Mundo Marinho com inclusão de diversos tipos de peixes, tubarões, raias e pinguins, e ampliação do setor Amazônia, além da chegada de Tapajós – o peixe-boi-amazônico -, tamanduás-mirim, macacos bugio, lontras e peixes gigantes da Amazônia (como pirarucus, pirararas, tambaquis e jaús) foram as principais novidades do setor.

Recentemente, em 2015, houve uma grande ampliação com a criação de 13 novos tanques/recintos em uma área de 7 mil m². Essa ampliação convida os visitantes a fazerem uma viagem ao mundo animal para conhecer animais de fora do país.

Suricatas, colobus e lêmures do continente africano; raposas voadoras e pítons da Indonésia; cangurus, vombates, equidnas e coalas da Austrália; focas, leão marinho, lobos-marinhos e os ursos polares vieram para encantar e sensibilizar ainda mais o público visitante.

Este ano, tendo um total de 15 mil m² e 4 milhões de litros de água onde habitam milhares de animais de centenas de espécies, o ASP completa 13 anos de história, mantendo-se como referência em tratamento, bem estar e manejo de animais.

Além disso, ao longo desses anos de história, o ASP tem contribuído com diversos projetos de conservação que trabalham com animais em ambiente natural.

Nossa Visita

Na primeira parte da nossa visita, vimos o aquário em seu formato mais tradicional, com peixes, répteis das mais variadas espécies, divididos por suas regiões de origem, principalmente no Brasil.

Na segunda parte, já começamos a ter como destaque a divisão entre espécies de água doce, água salgada, e até por áreas de habitação e origem.

Em todos os tanques e setores, monitores de vídeo informavam os detalhes do animal que estava sendo visitado.

Aqui já vemos animais de outras partes do mundo, num ambiente temático que lembra o interior de um submarino, uma das áreas mais fantásticas na minha opinião.

Mais adiante, temos um ambiente feito para animais de maior porte, com a temática de navio pirata e onde podemos encontrar peixes amazônicos e até tubarões convivendo num tanque onde temos visão desde o fundo até sua superfície, passando por nossas cabeças.

Neste tanque, o destaque principal é o peixe-boi Tapajós, espécie amazônico, ameaçado de extinção e que faz parte de um projeto do ASP em parceria com a AMPA, associação que luta pela preservação do peixe-boi.

Ele nos brindou com uma demonstração perfeita de nado e beleza durante nossa visita.

Em todos as áreas, podemos ver a beleza nos detalhes da cenografia criada para reproduzir os ambientes, continentes e cenários que nos levam a imaginar que estamos fazendo parte da história dos animais.

Áreas Temáticas

Nesta área, como se estivéssemos numa sala de embarque, somos convidados a conhecer a fauna dos seguintes países/regiões: África, Indonésia, Austrália e Polo Norte.

África

No setor da África, apreciamos os exemplares de macacos colobus, que gostavam de interagir com o público, além dos sempre curiosos e atentos lêmures e suricatos.

Indonésia

No setor da Indonésia, vimos as belas raposas voadoras, que devem ser primas dos morcegos e também as enigmáticas pitons.