Vida de imigrante em tempo de pandemia

2
Família brasileira com criança em Braga

O texto de hoje é da nossa colunista, Denise Di Biasi, que escreve o perfil Estamos em Portugal e mora em Braga há 2 anos, sobre sua vida de imigrante em tempo de pandemia.

A Denise trás hoje uma reflexão cheia emoção sobre a quarentena, a falta que sente das pessoas e da família que ficou no Brasil, mas como a vida aqui pode valer a pena, apesar da saudade.

Dê, mais uma vez, obrigada pelo texto. E para você que está lendo este post, a Denise já escreveu o Estamos em Portugal – Planejamento e 4 meses em Portugal e a “lua de mel” com o país que também podem te interessar.

Denise Di Biasi em Braga Portugal

Um sentimento da pandemia: tristeza

Hoje é 16/06/2020, são 15:52hs, estou sentada na sala enquanto o Marcello busca o nosso carro que foi para a revisão. O Caco (nosso cão) dorme ao meu lado, o Lucas está com a namorada aqui em casa e a Laura tem aulas online no quarto dela. Um dia normal!

Por causa da pandemia os dias se arrastam…

Não fui o tipo de pessoa que fez atividades físicas diversas, meditou, cuidou da alimentação ou se preocupou em ocupar a cabeça. Na verdade passei os últimos meses, sentada, largada no sofá (valeu Netflix!), cuidando minimamente da casa e fazendo comida.

Li alguns livros de romance, nada muito técnico.

Descuidei da cabeça, do corpo, da alimentação, em outras palavras: desencanei. Posterguei meus planos e entrei em modo “tô deprimida”.

Deixei de tomar meu remédio para transtorno de ansiedade e tive crise de pânico. Basicamente, essa é a minha quarentena, “culpa” também do cancelamento da viagem que meus pais fariam para nos visitar. Não lembro de um dia que não tenha chorado de saudades, me emocionei até vendo um antepasto de abobrinha e berinjela, que uma amiga serviu em um encontro. Pra mim, não ter a presença dos meus pais curtindo essa nova vida com a gente, certamente é a parte mais difícil do processo.

Mas, calma! Esse não é um relato apenas de tristeza, tem muita coisa boa também!

Das vantagens que superam a tristeza

Família Di Biasi em Portugal

Morar longe, definitivamente, não é fácil!

Requer MUITO MAIS força de vontade e determinação do que imaginei que deveria ter.  Mas, se tem uma coisa que me faz acalmar e focar, é pensar em alguns dos motivos que nos fizeram sair do Brasil, mudar para Portugal e jogar tudo paro o alto.

Podem acreditar: tenho váriossss motivos que não me deixam desistir desse sonho e já fiz um post sobre As 10 coisas que mais gosto em Portugal no meu perfil no Instagram, mas agora focarei em apenas nos 2 motivos que julgo serem os mais importantes: segurança e educação, e que motivam minha vida de imigrante em tempo de pandemia.

Vistos para brasileiros em Portugal

Segurança

Vejam um exemplo que aconteceu essa manhã: o Lucas foi andando até a casa da namorada (deve dar uns 15 minutos de caminhada daqui). Em nenhum momento senti medo, pedi que me ligasse ou utilizei o “localizador” do telemóvel.

É simples! Viver em segurança e se sentir em paz é algo que não tem preço.

Aqui acontecem alguns furtos sim, mas são casos bem pontuais.

Isso eu não tinha no Brasil: o simples trajeto da escola até o restaurante que o Lucas gostava de ir, coisa que levava uns 5 minutos andando, já era o suficiente para pedir que ele escondesse o telemóvel, deixasse a mochila na escola e me ligasse assim que chegasse em cada lugar.

Aqui podemos andar com os vidros do carro abertos e não tem problema. E a palavra segurança também pode ser entendida pela confiança que temos nas políticas governamentais. As coisas funcionam de verdade! Em quase dois anos de Portugal, não tenho motivos para esse tipo de queixa.

Educação

E agora, a educação!

Essa é definitivamente a maior mudança. Eu adorava a antiga escola das crianças no Brasil, mas vejo que hoje eles têm muito mais oportunidades e estão tendo uma educação de excelência. Estão sendo preparados para fazer o que quiserem no futuro, não apenas sendo treinados para passar no vestibular.

Aqui existe um leque de oportunidades, temos excelentes universidades em Portugal, mas também não descartamos outros países.

Quando coloco essas coisas na balança, definitivamente, elas têm um peso enorme e são fundamentais para a nossa permanência aqui. E o mais importante: as crianças estão felizes! Passado o primeiro ano dramático na antiga escola da Laura (assunto para outro post), hoje tenho uma garotinha confiante, bem resolvida e sorridente.

Vejam como até os perrengues são importantes e nos fazem crescer!

Família Di Biasi em Portugal

Felicidade na vida de imigrante em tempo de pandemia

Nada motiva mais a vida do que ser feliz!

E você, o que te faz feliz? O que te faz ter vontade de deixar tudo pra trás e tentar uma vida nova, mesmo longe das pessoas que ama? Deixe sua resposta nos comentários ao final da página.

Essas perguntas são importantes para quem pensa em imigrar.  Quando coloco os prós e os contras na balança e vejo o sorriso e a paz das crianças, sei que tomei a melhor decisão e sigo feliz.

Até a próxima.

Beijinhos!

Denise Di Biase Estamos Em Portugal

Denise Di Biasi, mãe do Lucas, da Laura e do Caco – o cão! Administradora de empresas (ou dona de casa, se preferir!) e casada com o Marcello desde Maio/2000. Em Julho de 2018 disseram adeus para pessoas amadas, abriram mão da vida estabilizada, venderam a casa e o Marcello pediu demissão do trabalho de 16 anos. Deixaram o Brasil, e uma grande parte do coração dentro dele, para morar em Braga.

Tire suas dúvidas sobre morar em Portugal

2 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.